Publicidade

Publicidade
16/02/2009 - 00:02

MPVB: Superprodução em comercial é coisa para os fracos

Compartilhe: Twitter

Eu só queria saber se conseguiram aumentar as vendas…

Via Sedentário

Autor: - Categoria(s): Bizarro, mpvb, Video Tags: , , ,

Ver todas as notas

15 comentários para “MPVB: Superprodução em comercial é coisa para os fracos”

  1. paulomsk says:

    Estudo publicidade e queria saber que agência teve essa idéia pra eu nunca ir trabalhar lá!

  2. Daniel says:

    KKKKKKKKK
    Agencia, que agencia?
    KKK

  3. Liliane says:

    51 segundos perdidos da minha vida…

  4. Soldado says:

    E o Kibe Loco criando modas…
    Mas valeu a pena por causa da garota dos 0:27 🙂

  5. Lele says:

    isso no MÍNIMO é BLASFEMIA AHAHAHAHAHA

  6. Vinnie says:

    ahauhuahauha…

    ELHO…EELHO, EU COMIA A DE VERMELHO!

    AUHuhuHAUHuhUAH

  7. Léu Stringaci says:

    Nojo.

  8. Michel says:

    Noooooo, vei…..
    isso é de verdade mesmo….
    cruz credo…

  9. Roque says:

    É por isso que tem lugares que não vão pra frente mesmo…. Como é que tem gente faz um lixo desse e, pior, gente que paga por isso? Isso é coisa de 4º mundo!

  10. Brunowsvike says:

    Por Isso que as Pessoas Matam,estupram,Fumam,Bebem…

    osta,oosta,essa loja eh uma bosta!

  11. Capri says:

    NOJO NOJO NOJO NOJO NOJO NOJO NOJO NOJO NOJO

  12. Jr. says:

    huHAuHAuHAuHAuHUA
    Vo encomendar logo um vestido e umm DJ pro meu casório

  13. Patricia says:

    Comentario!!!! comentar o q né… rsrsrsrsrsrsr

  14. Jose Luiz Heisler Ferreira says:

    AAHH, Está claro… Ela ganha o vestido da loja, alguns salgadinhos de quinta, e está feito o casório e a parceria para o comercial.

  15. Nossa oque eé isto meu deus !

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo