Publicidade

Publicidade
04/11/2014 - 11:24

Armas de guerra em operação em slow motion

Compartilhe: Twitter

tiros_slow
Se você ainda não teve a oportunidade de ver como algumas armas de guerra disparam, este vídeo vai te ajudar a perceber como a munição se comporta.

Autor: - Categoria(s): Curiosidade, Video, Wowww Tags: , ,

Ver todas as notas

4 comentários para “Armas de guerra em operação em slow motion”

  1. Vander says:

    Guerra a maior estupidez humana…

  2. Vinicius says:

    Sim, a guerra é uma abominação.
    Mas, definidas nossas (e de todos outros) fronteiras, temos que assegurar nossa soberania.
    E além disso, aceitem ou não, os militares nos trazem o melhor da tecnologia pois o fazem, testando ao limite a engenharia.
    E fazendo isso nos trazem, trouxeram e trarão-nos melhorias para nossas vidas.
    É um fato, não minha opinião pessoal, antes que me julguem.

  3. Observador says:

    A Guerra é muito ruim, pessoas inocentes padecem. As feridas das guerras demoram muito para fechar.
    Deus é contra as guerras, e se Deus é contra, porque os homens insistem em travá-las? Se atentem a isto, amiguinhos.

    • Leonel Martins says:

      Deus não é contra a guerra, pois de acordo com a bíblia, é através dela que ele pratica sua justiça. O deus bíblico (que é o mesmo deus dos islamicos e dos judeus) se chama no idioma original “yahweh tzevaot” que significa jeová deus dos exércitos. notem que não é o deus dos pastores, nem dos pacifistas nem dos trabalhadores, é dos exércitos mesmo. sendo assim, como poderia deus ser contra as guerras? basta ler a bíblia para perceber que isso não é verdade.

      “quem não tem uma espada que venda sua capa e compre uma”
      jesus cristo.

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo