Publicidade

Publicidade
18/11/2014 - 00:03

Em vez de gado, fazenda cultiva corpos em decomposição

Compartilhe: Twitter

fazenda_corpos_01
Este é o Rancho Freeman, um lugar incomum lá nos Estados Unidos. Em vez de cultivar gado, eles cultivam corpos em decomposição.

Isso mesmo, os 16 acres da fazenda possuem cerca de 50 corpos espalhados. A intenção é estudar as diversas fases da decomposição e ajudar os especialistas forense a desvendarem mistérios envolvendo as mortes.

Algumas fotos a seguir podem ser perturbadoras para alguns leitores.

fazenda_corpos_02

fazenda_corpos_03

fazenda_corpos_04

fazenda_corpos_05

O corpo passa por três estágios de decomposição. Na primeira, o corpo incha, porque as bactérias liberam gases que consomem o gás carbono do corpo. Em seguida, o corpo estoura e libera fluidos de decomposição. Finalmente, há a fase de secamento, quando quase toda a carne do corpo é consumida. Esta fase é alcançada depois de várias semanas, e é a fase em que a maioria dos corpos do rancho estão.

fazenda_corpos_06

fazenda_corpos_09

fazenda_corpos_10

Crédito

Autor: - Categoria(s): Bizarro, Curiosidade, Inusitadas Tags: , , ,

Ver todas as notas

10 comentários para “Em vez de gado, fazenda cultiva corpos em decomposição”

  1. bjorn says:

    Nao deixa de ser muito interessante , afinal de contas a ciencia forense com certeza apreciará e muito essa fazenda .

  2. Felipe says:

    Pela ciência e evolução é valido.

  3. LeCecchi says:

    Realmente, vendo dessa maneira é bem interessante… Espero que ajude cada vez mais.

  4. carlos silva says:

    É por isso que os caras do csi quando encontram o cadáver ja sabem quanto tempo o cara está morto heheheh

  5. Theo says:

    Estudei um semestre de medicina legal, sendo a tanatologia uma das matérias. O fedor de um IML é o mesmo que o de um açougue multiplicado por 10. A evolução da deterioração de um corpo varia conforme a causa da morte e o ambiente em que se encontra. Esse tipo de pesquisa é muito importante para se detectar a origem e o horário da “causa mortis”, principalmente quando suspeita-se de morte violenta. Presumo que os corpos objetos do estudo são de indigentes, pois seria muito improvável que alguma família ou mesmo defunto (óbvio, quando em vida) autorizasse a experiência.

  6. Erasmo says:

    Muito interessante! Esses estudo, está sendo realizado ao “Ar Livre”. E se os corpos estivessem em um ambiente fechado? O tempo da decomposição é maior, menor? Altera algum processo por falta de oxigênio, umidade…?

  7. Doralice says:

    a morte é um assunto q sempre fascina

  8. Rogério says:

    Muito legal..!
    Tem um episodio de CSI Las Vegas em que um cadáver de um crime de verdade é encontrado em uma fazenda dessas, ao ver a matéria lembrei dele.

  9. Ruth Elena Dos Santos says:

    Achei muito interessante pois sempre tive curiosidade de ver um corpo em decomposiçao

  10. alissa delanna says:

    VOU COMECAR O CURSO DE BIOMEDICINA E QUERO ME ESPECIALIZAR NA ÁREA, ANALISAR CADÁVERES E TALS,MATÉRIA E EXPRERIENCIA MUITO BOA PRA QUEM QUER OPTAR POR ALGO PARECIDO.QUEM SABE UMA FUTURA PERITA!!

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo