Publicidade

Publicidade
22/04/2016 - 13:43

Dois gênios pensando da mesma forma

Compartilhe: Twitter

KobeJordan980Cover

Vi este vídeo no Facebook e achei legal trazê-lo para o Buteco, mesmo sabendo que várias pessoas o assistiram. Ele mostra os movimentos idênticos entre Michael Jordan e Kobe Bryant, intercalando as imagens. Sensacional!




Autor: - Categoria(s): Video Tags: , ,

Ver todas as notas

8 comentários para “Dois gênios pensando da mesma forma”

  1. Renata says:

    Show esse video! Os dois são geniais!

  2. Thiago says:

    Descordo plenamente. O michael nunca teve ninguem para ele copiar. diferente do Kobe. Que sempre deixou claro seu idolo. O miachel sim era um genio. O Kobe só uma copia do paraguai.

    • Fábio Alves Corrêa says:

      Se copiar Jordan é tão fácil, mostra como que faz champs.

    • Oscar says:

      Haushaushahsuhahsuashushasuas, seguindo esse raciocinio Messi é uma copia paraguaia de Ronaldinho Gaucho… Pelé uma copia de Puskas…

    • Caio says:

      Cala a boca cara… pra você falar isso você não entende de basquete. O Kobe era sim fã do Michael, mas dentro da quadra você não fica pensando em que movimentos você vai fazer pra imitar seu ídolo. Os dois tiveram tantos lances iguais por que era a melhor opção pra fazer a cesta naquele segundo. O pensamento dos caras era muito rápido. Dois gênios contemporâneos que deixam muita saudade no basquete.

  3. Observador says:

    Somente quem é daquela época, sabe que realmente foi um tempo mágico, não só para o gênio do basquete, mas em muitos outros esportes, hoje em dia nossos jovens não tem mais ídolos, apenas meros mortais que se destacam um pouco na multidão.

  4. Jeff says:

    O Criador e a criatura.
    SEM MAIS.

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo