Publicidade

Publicidade
06/08/2018 - 00:03

Fotos interessantes e as histórias por trás delas (Parte 127)

Compartilhe: Twitter

Confira outra sequência de fotos interessantes e suas histórias.

O artista Rodolf Kohn transformou um carro batido em um emoji como parte de uma campanha para conscientizar os motoristas sobre os riscos de dirigir e usar o celular

 
 
 

Oskar Schindler sendo recepcionado por 300 sobreviventes do holocausto em Jerusalém, maio de 1962

 
 
 

Armadura de guerra dos elefantes

 
 
 

Mulheres líbias em um mercado de escravos

 
 
 

Todas as vítimas de abusos do médico Larry Nassar no palco de um programa norte-americano

 
 
 
 





 

Funcionários de uma companhia aérea japonesa curvando-se para pedir desculpas aos passageiros pelo atraso nos vôos

 
 
 

Cão de resgate recebe uma estátua depois de salvar a vida de 12 pessoas durante o terremoto do México no ano passado

 
 
 

Ele também ganhou um mural

 
 
 

Equipe sueca de CS: GO, em que o membro mais jovem tem 62 anos e o mis velho, 81. Eles afirmam que o CS ajudou a dar um impulso de confiança e servir como uma espécie de ginástica mental

 
 
 

Esta é oficialmente a última locadora Blockbuster dos Estados Unidos. Fica em Bend, Oregon

 
 
 

Cidadãos de Moscou ouvem um anúncio de rádio dizendo que as forças alemãs atacaram às 4 da manhã e que a guerra começou

 
 
 
 





 

Método de lotería usado pelo Serviço Seletivo norte-americano para determinar quem seria selecionado para a guerra do Vietnã, Estados Unidos, 1969

 
 
 

Foto de Marilyn Monroe após ser detida por dirigir muito devagar e sem licença, em 1954

 
 
 

Linha de produção da Harley-Davidson em 1909

 
 
 

Última execução pública na França, em 1939. A maneira desordenada com que a multidão se comportou chamou atenção. Alguns enxugaram o sangue do executado com um lenço e levaram como recordação

Autor: - Categoria(s): Curiosidade, Fotos Tags: , ,

Ver todas as notas

10 comentários para “Fotos interessantes e as histórias por trás delas (Parte 127)”

  1. Guilherme says:

    Que revoltante ver a imagem das “Mulheres líbias em um mercado de escravos”

  2. Leandro says:

    Essa guilhotina poderia estar ativa no Brasil em… Principalmente para os corruptos

  3. Rodrigo says:

    Nossa, essa ultima foi bizarra.

  4. sheilo jailson says:

    interessante, como a lei muda de tempo em tempo e lugar pra lugar, holocausto ja foi dentro da lei, escravidão tambem, pena de morte em publico tb, imagina isso nos dias de hj. bizarro

  5. Japanazi says:

    Aiin que lindo os japoneses racistas, xenofóbicos, escravos do trabalho e matadores de baleias se curvando pq atrasaram dois milésimos um avião.

    • xxx says:

      La eles respeitam o proximo mas falham em varios outros campos. Aqui falhamos em todos os campos e nao respeitamos o proximo.

  6. Erbert Grubeu says:

    Sociedades estão sujeitos a a certo tipo de coisa que separam e dizem, o que não tem aquilo que falta lá no do outro e colírios. Essas molecadas que é zica braba é só a rapa da cocaaaaaada. MALANDRo

  7. Neide Cunha says:

    Os esquerdistas do Brasil ganhariam mais a simpatia do povo se fizessem protestos a favor dessas pobres mulheres líbias e não tumultuando o país para libertar corrupto da cadeia

  8. User123 says:

    Meu pai sempre conta de um colega americano q ele tinha quando estudava. Era filho de professores americanos, mas moravam aqui. Meu pai lembra que era um rapaz tranquilo, gente boa, e pacato. Certa vez mandaram ele pro Vietnã. E nunca mais voltou. Mal deve ter recebido algum treinamento. No início da guerra, a tática era enviar como “soldados”, americanos q nao moravam nos eua pra nao terem seus caixões voltando aos montes e não chamar atenção da opinião pública.

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo