Publicidade

Publicidade
23/08/2019 - 00:02

Disney é acusada de roubar ideias de um desenho japonês para fazer O Rei Leão; compare

Compartilhe: Twitter


O youtuber Alli Kat lançou um vídeo que mostra várias semelhanças entre o Rei Leão da Disney e Kimba, o Leão Branco, de Osamu Tezuka, que foi criado em 1950 e animado em 1965. O Rei Leão, por outro lado, só foi lançado em 1994, um dado que está provocando polêmica.

Embora as duas obras sigam roteiros diferentes, eles compartilham alguns pontos bem parecidos, com inúmeras sequências que se confundem. Outras semelhanças são tematicamente mais profundas e mais evidentes, como, por exemplo, o fato de ambas as histórias apresentarem o tema do círculo da vida. Confira algumas fotos e vídeo e tire suas conclusões.

 
 





Autor: - Categoria(s): Curiosidade, Polêmica, Video Tags: , , ,

Ver todas as notas

6 comentários para “Disney é acusada de roubar ideias de um desenho japonês para fazer O Rei Leão; compare”

  1. Jão says:

    Realmente é nítida a cópia. Não tem como ser coincidência.

  2. Daniel says:

    Nossa o_o nossa…

  3. André says:

    Mas o que não colocou em seu texto sobre o fato, é que o caso ja foi resolvido, onde a produtora japonesa já disse em nota que não entraria com processo contra Disney e sim, ficaram muito horados com a homenagem a Osamu Tezuka, ja que o próprio era grande fã da Disney e se inspirou em vários desenhos para a construção de seus personagens.

  4. mf says:

    parafraseando Picasso: Bons artistas copiam, Grandes artistas ROUBAM.

    • Roddolfo says:

      A questão ´que se qualquer um de nós roubar de outro artista não fará de nós um Picasso. Só seremos ladrões plagiadores.

      “Pablito” também sabia onde doía e “roubou” porque na época os movimentos artísticos abriam pra esse tipo de prática já que a obra final é o que contava e o mercado não tinha interesse no processo criativo como parte da obra. Quem muda isso é Peggy Guggenheim quando visita Pollock e entende que o processo de criação do artista legitima sua obra e, muitas vezes é mais importante que a própria obra.

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo