Jovem encontrado algemado e encharcado de gasolina pode ter simulado situação

Diferente do que a mídia imaginava, a Polícia acredita que o seqüestro do estudante Rafael Fonseca Sinfrônio, 18 anos, pode ter sido uma simulação da própria vítima. A Gerência de Inteligência da Secretaria da Segurança e Defesa Social está trabalhando com essa hipótese.

O grupo B.U.L.I.C.I.D.A. havia postado no youtube três vídeos onde supostamente acusavam Rafael Fonseca de traidor por ter se entregado a polícia quando das ameaças feitas ao Motiva em setembro.

Rafael foi encontrado no início da noite deste domingo, 24, com o corpo molhado de gasolina, algemado e encapuzado. Ele chegou a pedir socorro a pessoas que participavam de uma festa no Paço dos Leões, no Altiplano Cabo Branco.

O que está levando a polícia a acreditar que o estudante está querendo “aparecer” é porque ao ser levado para a Delegacia de Polícia, Rafael caiu em contradição por diversas vezes, inclusive chegando a dizer ter sido ameaçado pelas pessoas que tinham lhe seqüestrado.

“Ninguém pratica um seqüestro, deixa a vítima algemada e molhada com gasolina, viva”, disse uma fonte da Secretaria da Segurança que pediu para não ser identificada ao site paraibano Wscom.

Enquanto isso, a Gerência de Inteligência da SSP já estava investigando as novas ameaças a alunos do Colégio Motiva desde que vídeos foram publicados pela Internet.

Rafael Fonseca Sinfrônio é ex-aluno do Colégio Motiva. Recentemente foi aprovado no Vestibular para o Curso de Direito da Universidade Federal da Paraíba.

O estudante, após ser ouvido na 10ª Delegacia Distrital, em Tambaú, foi liberado, mas deve ser novamente convocado para ser ouvido, agora pela Gerência de Inteligência da SSP. Na Polícia, o caso de Rafael Fonseca Sinfrônio está registrado como “seqüestro”.

Os vídeos do grupo podem ser vistos no YouTube. Parte 01 | Parte 02 | Parte 02

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!