6 fatos bizarros sobre a internet em Cuba que muita gente desconhece

Cuba é conhecida pela total desconformidade com as questões sociais, e isso não é nenhuma novidade. O que pouquíssimas pessoas aqui no Brasil desconhecem é a maneira como é tratada a inclusão digital na ilha de Fidel. Veja abaixo algumas questões, que se comparadas com a realidade do nosso país, chegam a ser bizarras:

1. Manter um blog, só se passando por turista estrangeiro.

Yoani Sanchez, de 32 anos, se veste de turista, entra em um hotel de Havana, cumprimentando os funcionários em alemão e vai até o local onde existe conexão para a internet. Isso acontece porque cubanos como ela não estão autorizados a usar as conexões de Internet do estabelecimento, reservado apenas a estrangeiros.

Na frente do computador Sanchez precisa escrever rapidamente. Não porque ela tem medo de ser apanhada em flagrante, mas porque o acesso à rede é proibitivamente caro. Uma hora de Internet custa cerca de 6 dólares, o equivalente a 15 dias de salário para um trabalhador cubano médio.

Blogueiros independentes como Sanchez tem de criar seus sites em servidores fora de Cuba e têm mais leitores fora do país do que dentro dele. Isso não surpreende, já que apenas 200 mil cubanos, ou menos de dois por cento da população, têm acesso à Web, o menor índice na América Latina, de acordo com a União Internacional de Telecomunicações.

2. Acredite! Nem o governo tem “livre acesso” à internet.

Apenas funcionários do governo, professores, universitários e pesquisadores estão autorizados a manter contas próprias de Internet, fornecidas pelo governo.

O restante dos cubanos só podem manter contas de email, às quais têm acesso nas agências dos correios, onde também podem visitar sites cubanos. O acesso ao restante da rede, no entanto, é proibido para eles.

3. O governo culpa os EUA pela exclusão digital.

O governo culpa o embargo comercial norte-americano pela situação, porque ele impede que o país tenha acesso a cabos submarinos de fibras ópticas que correm a apenas 20 quilômetros de seu território, e em lugar deles depende de caras conexões via satélite para se conectar à rede de países como o Brasil, Chile e Canadá.

Mas os críticos alegam que isso é apenas um pretexto para que as autoridades mantenham controle sobre a Internet.

4. Até em Cuba já existe pirataria!

Funcionários do governo há muito limitam o acesso do público à Internet e a vídeos digitais, removendo as antenas parabólicas não autorizadas e controlando severamente o número de cibercafés que os cubanos podem utilizar. Resta apenas um cibercafé funcionando na velha Havana, ante três alguns anos atrás.

Mas as tentativas do governo de controlar o acesso estão se provando cada vez mais ineficientes. Os jovens cubanos dizem que existe um próspero mercado negro que oferece a milhares de pessoas uma conexão clandestina para com o mundo exterior.

Pessoas que contrabandearam antenas parabólicas para o país oferecem conexões ilegais de Internet, por uma tarifa mensal, ou baixam filmes e os vendem em CDs. Outros exploram as conexões de Internet de empresas estrangeiras e estatais. Funcionários que podem se conectar à Internet muitas vezes vendem suas senhas e números de identificação para que outras pessoas obtenham acesso de madrugada.

5. Como funciona um Cybercafé em Cuba.

Escondido em uma pequena sala nas profundezas do edifício do Congresso, o café estatal cobra um terço do salário médio mensal de um trabalhador cubano, US$ 5 – por uma hora de uso de computador. Os dois outros cibercafés que existiam no centro de Havana foram transformados em “centros postais”, que permitem que cubanos mandem mensagens de e-mail por uma rede fechada na ilha, desconectada da Internet. “É uma espécie de serviço telegráfico”, disse um jovem, dando de ombros, enquanto esperava na fila para usar os computadores de um dos antigos cibercafés.

6. Só agora os jovens começam a usar a Internet para desafiar o governo.

Uma crescente rede de jovens armados de cartões de memória de computador, câmeras digitais e conexões clandestinas com a Internet está desafiando o governo cubano nos últimos meses, difundindo notícias que a mídia oficial do Estado preferiria suprimir.

No mês passado, os estudantes de uma prestigiosa universidade de computação gravaram um feio confronto que tiveram com Ricardo Alarcón, o presidente da Assembléia Nacional cubana. Alarcón parecia perplexo quando os estudantes o cercaram e começaram a questioná-lo sobre os motivos da proibição de que viajem ao exterior, se hospedem em hotéis, procurem salários melhores ou utilizem serviços de busca como o Google. O vídeo se espalhou velozmente por Havana, de pessoa em pessoa, e prejudicou seriamente a reputação de Alarcón em determinados círculos.

Fonte: Reuters e The New York Times

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!