Massagistas agora são obrigadas a usar cadeado nas roupas para evitarem praticar sexo

Salões de massagem de uma cidade indonésia estão obrigando que as funcionárias trabalhem com um cadeado as suas saias e calças, para que fique bem claro que o sexo não está em oferta.

Segundo o Daily Mail, a polêmica mudança despertou o protesto do ministro para assuntos da mulher na Indonésia, onde massagens são freqüentemente uma frente para a prostituição. “Não é a melhor forma de evitar promiscuidade”, disse Meutia Swasono. “É um insulto às mulheres … como se elas fossem as únicas erradas”.

Um salão na cidade turística de Batu na Ilha de Java foi o pioneiro. Segundo a direção, o cadeado nas roupas das moças deixou claro que a instituição não tolera prostituição.

O Jakarta Post, que citou a opinião do ministro, também mostrou uma fotografia de uma massagista com um cadeado na cintura da calça e disse que a administração local pretende barrar a prostituição e mostrar a imagem de uma cidade turística.

Batu, é a segunda maior cidade de Surabaya, e um dos destinos turísticos mais populares, por conta do seu clima, das fontes termais e da paisagem montanhosa.

A Indonésia é uma verdadeira indústria do sexo. As massagens são freqüentemente usadas como meio de prostituição. Mas, recentemente tem havidos vários debates sobre a moralidade, expondo profundas divisões no Sudeste Asiático, maioria muçulmana.

No mês passado, a Indonésia aprovou uma lei para restringir o acesso a sites pornográficos e violentos na internet, enquanto que o seu parlamento ainda tem que aprovar uma lei que visa proteger os jovens de material pornográfico.

Um projeto anterior continha disposições que poderiam levar à prisão pessoas que se beijavam em público e criminalizar muitas formas de arte ou cultura tradicional que abordar sensualidade.

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!