Objetos que foram moda no exterior mas não decolaram aqui no Brasil

Curiosa a forma como a moda tem o poder de se transformar em cultura popular de uma maneira relativamente rápida, e depois perde popularidade com a mesma velocidade. Mais curioso ainda é que algumas modas tentam influenciar outras culturas mas não encontram o mesmo espaço.

Aqui no Brasil os empresários tem o hábito de copiar o que é sucesso lá fora, mas esquecem que nosso País tem identidade própria e por fim, nem tudo o que é moda no exterior pega impulso no Brasil. Veja alguns exemplos:

Sea-Monkeys

Sea Monkeys são uma espécie de macacos do mar, criaturas que se parecem com cavalinhos do mar e que começaram a ser comercializados em 1957 por Harold von Braunhut como “Instant Life”, logo depois Braunhut mudou o nome para “Sea-Monkeys”. As criaturas são vendidas em pacotes. Você adiciona o conteúdo de um pacote em água filtrada e após 5 dias seu Sea-Monkey já está pronto para fazer a primeira refeição. Aqui no Brasil pouco se ouviu falar nos Sea-Monkeys.

Bichinhos Virtuais

Quem não conhece os “Bichinhos Virtuais”? É uma espécie de animal de estimação que se alimenta, caminha, dorme e se exercita apenas com o pressionar de alguns botões. Aqui no Brasil os mascotes chegaram a ter certo destaque, mas ficaram longe de conseguir o mesmo sucesso obtido no Japão, tanto que o “Tamagotchi Connection V3” foi lançado em 2005 no Japão até agora não chegou ao nosso país. O novo “Tamagothi Connection”, além de sensor infravermelho e de jogos e funções adicionais àquelas conhecidas, tem interação com o computador, em um site “Tamagothi Town”, onde pode-se adquirir produtos virtuais através dos pontos ganhos em jogos.

Atualmente é difícil encontrar alguma criança com um desses “bichinhos”.

Anel do Humor

Popular nos anos 70 nos Estados Unidos, o anel do humor, uma bolha de vidro preenchida com cristais líquidos, foi comercializado para alertá-lo de como poderia estar o seu humor (como se você já não soubesse). Azul significa que você está feliz, preto ansioso, e segue uma infinidade de cores. Aqui no Brasil algumas empresas tentaram, sem sucesso, vender o anel.

Cabbage Patch Kids

Inventada em 1978 e produzida em massa a partir de 1982, a Cabbage Patch Kids ditou a moda dos anos 80 nos Estados Unidos. O sucesso era tanto, que ela chegou a causar brigas e tumulto entre os pais que tentavam garantir uma unidade para o Natal. Aqui no Brasil ainda é possível encontrar algumas unidades sendo vendidas no Mercado Livre.

Lâmpada de Lava

Lâmpada de lava, conhecida em inglês como Lava lamp, é uma lâmpada mais utilizada para decorar do que para iluminar. É assim chamada por produzir um efeito que lembra lava. Ela foi inventada na década de 60 por Edward Craven Walker. Considerada horrenda por alguns, as lâmpadas de lava se tornaram um ícone da cultura popular nos Estados Unidos. Depois de todos esses anos, as pessoas ainda compram estas lâmpadas e os fabricantes oferecem centenas de opções de design.

Carinha sorridente

A figura da carinha sorridente foi popularizada no início dos anos 70 por dois irmãos, Murray e Bernard. As carinhas logo tornaram-se ícones, estampando, canecas de café, camisetas, adesivos para pára-choques e em muitos outros itens, acompanhada da frase “Have a happy day”. Atualmente, é mais comum vê-la na internet.

Pet Rock

Gary Dahl era um executivo de publicidade que inventou e vendeu um produto muito simles e interessante. Acredite ou não, ele criou a pedra de estimação ou Pet Rock. Essas pedras eram embaladas em uma caixa de papelão que imitava as caixas de transporte de animais da época. O pacote também acompanhava um manual de treinamento da pet rock.

O resultado foi que ele acabou ficando milionário com essa idéia. E como se não bastasse, esse feito incrível aconteceu num período de apenas 6 meses. A tal pet rock era vendida por $3,95. Estima-se que Gary tenha vendido cerca de 5 milhões dessas pedras em meio ano de atividade. Além disso, as pedras eram compradas por um preço irrisório, apenas alguns centavos de dólar.

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!