Americano cria 170 formas diferentes de envergonhar o filho

Não importa o quão legal os pais de um adolescente sejam, a maioria não admite demonstrações públicas de carinho.

Agora, imagine passar todo o ano letivo compartilhando demonstrações de carinho diárias com seus colegas de ônibus. Foi mais ou menos isso que aconteceu com Rain Price, um adolescente de 16 anos que mora na cidade de American Fork.

Durante todos os 170 dias de aula, seu pai apareceu com uma fantasia diferente para acenar para ele e os colegas de ônibus.

Tudo começou quando a rota do ônibus escolar mudou para sua rua. Desde o primeiro dia, Rain percebeu que seu pai, Dale, faria daquele simples momento uma tradição.

Quando ele fez isso no primeiro dia, eu fiquei em estado de choque. Foi meu primeiro dia de meu segundo ano“. Entretanto, apesar do constrangimento, seu pai sentiu-se emocionado.

No segundo dia de escola, lá estava ele, só que desta vez usando um capacete de futebol americano. A partir daí, a imaginação de Dale estimulou-o a vestir-se de Anakin Skywalker, usar sunga, snorkel, plumas, peruca, botas, chinelo, vestir-se de padre, Mágico de Oz, Pequena Sereia, Papai Noel, entre vários outros. O mais interessante de tudo, é que Dave jamais repetiu uma fantasia.

A história já foi tão longe, que a família foi convidada para participar de vários programas de rádio e TV.

Eu não vou recompensá-lo por isso, sua recompensa é ver o meu constrangimento“, brincou o jovem Rain.

Você não quer ver seu pai vestindo-se com um vestido de noiva, acenando para você no ônibus“, concluiu.

Apesar de todo o constrangimento de Rain, a família fez questão de registrar as palhaçadas diárias do seu pai num site.

No ano que vem, vou estar dormindo, não sairei da cama“, disse Dale Price. “Eu espero que ele lembre isso para o resto da sua vida. Ele pode usá-lo com seus filhos e dizer: ‘Se você pensa que está envergonhado por mim, você deveria ter visto o seu avô’“, concluiu ele.

Dica do Os Descolados via Twitter do Buteco

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!