Como os efeitos especiais eram usados em filmes antigos

Numa época em que não existia computação gráfica, os profissionais que trabalhavam em filmes precisavam se virar para montarem boas sequências. Dá uma olhada em como eles faziam.

Minutagem:

00:10 – 00:44: Harold Lloyd se pendura num relógio de pulso (1923). Como as telas verdes e os fundos falsos eram complicados naquela época, um conjunto foi construído no alto de um prédio para dar a ideia que você acompanha no filme.

00:45 – 01:17: Chaplin patinando em uma loja de departamentos em Tempos Modernos (1936). Esta técnica foi feita utilizando pintura em vidro. Parte do fundo não existia.

01:18 – 01:33: O truque de olhos de Colleen Morre em Ella Cinders (1926). Este efeito assustador é consequência de duas partes filmadas separadamente.

01:36 – 02:03: O beijo de Mary Pickford nela mesma, em Little Lord Fauntleroy (1921). A silhueta de Pickford foi pintada em um vidro e utilizaram uma estrutura de metal que impedia que a câmera se movesse.

02:04 – 02:23: Buster Keaton passeia sobre uma ponte quebrada em Sherlock Jr (1924). Este efeito foi conseguido com duas cenas filmadas separadamente.

02:24 – 02:46: Douglas Fairbanks desliza pela vela (1926). Os irmãos Fairbanks projetaram este truque. A vela e a câmera foram colocadas em ângulo e o ator ficou preso numa polia escondida.

02:47 – 03:10: Jesus curando leprosas em Ben-Hur (1925). Karl Struss desenvolveu uma técnica usando filtros coloridos para criar o efeito de cura. Quando o filtro era ajustado, a maquiagem de letra não era mais visível.

03:12: Cecil B. DeMille na versão original de Os Dez Mandamentos (1923). Despejaram água num olde de gelatina feito para parecer com água do mar, depois reproduziram a cena ao contrário para parecer que o mar estava abrindo.

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!