E os boatos correm soltos…

Esse e-mail vem circulando há algum tempo na internet, fala sobre um ‘macete’ para usar caso esteja sendo coagido a digitar sua senha no caixa eletrônico.
SENHA DO CARTÃO DO BANCO INVERTIDA

Se você for alguma vez forçado por um ladrão a retirar dinheiro do caixa eletrônico, você pode avisar a polícia imediatamente, digitando a sua senha ao contrário.

Por exemplo, se sua senha for 1234, então você digita 4321. A máquina reconhece que sua senha está invertida , de acordo com o cartão que você acabou de inserir. A máquina de qualquer maneira lhe dará o dinheiro, mas para desconhecimento do ladrão, a polícia será imediatamente acionada e enviada para lhe ajudar.

Esta informação foi recentemente ao ar via TV, e declara que isso Raramente é usado, porque as pessoas não sabem da existência desse mecanismo de defesa.

Por favor, passem isso adiante a todos que você conhece.

É uma informação extremamente útil e necessária.

Quem trabalha com programação sabe que o campo “senha”, ao aceitar os dados inseridos nele, compara esses dígitos com os que têm guardado em seu banco de dados. Se os números (ou letras) que foram digitados forem iguais aos guardados no banco, o caixa eletrônico libera o dinheiro, se a senha digitada for diferente… nada feito!

Suponhamos que os bancos tenham pensado nisso e tenham criado um sistema onde o cliente, ao cadastrar sua nova senha, não só grava sua senha original como uma senha igual à do cliente só que ao contrário. Isso é possível de se fazer, porém haveria alguns contratempos:

– Seria uma imenso trabalho para reprogramar todos os sistemas;

– Como as senhas são criptografadas, é impossível dos programadores inverterem a senha que já está gravada. Seria necessário que todos os clientes recadastrassem suas senhas e, com certeza, seriam comunicados sobre o porque do recadastro;

– Ao avisar ao cliente que sua senha seria recadastrada, os bancos estariam avisando aos bandidos também;

– Pessoas de má fé poderiam usar desse recurso e sair por aí digitando sua senha ao contrário, só pra descolar uma graninha extra;

– Clientes que possuem senhas compostas de números palíndromos – aqueles que são iguais lendo-se da direita para a esquerda como da esquerda para a direita -, por exemplo “123321”. Esses clientes não teriam a tal proteção policial, pois ao digitar sua senha capicua ao contrário o sistema não a diferenciaria.

Além disso, o site da Febraban não faz nenhuma referência a esse tipo de ‘macete’. Portanto… muito cuidado com o que vê na internet!

Compare preços de cartões de crédito

Via

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!