Fãs de "Avatar" dizem pensar em suicídio após assistir o filme

É curioso ver como arte e vida real às vezes não convivem harmoniosamente. No caso do filme “Avatar”, por exemplo, um fenômeno está deixando as pessoas preocupadas. Alguns fãs do filme afirmam terem ficado deprimidos e com pensamentos suicidas por não serem capazes de visitar o perfeito planeta Pandora, cenário do filme.

O filme, que mostra a vida em um mundo maravilhoso repleto de alienígenas azuis de três metros, fez os fãs inundarem a internet com sentimentos confusos. Em um site, dedicado ao filme, existem mais de mil postagens falando sobre o assunto.

avatar_2Quando acordei pela manhã, depois de assistir Avatar pela primeira vez, achei o mundo mais cinzento. Ele parece tão sem sentido. Eu realmente não vejo nenhum motivo para fazer coisa alguma. Vivo em um mundo agonizante“, declarou um leitor.

Segundo o Daily Mail, em um outro site, um fã foi ainda mais além, admitindo: “Eu tenho pensado em suicídio. Pensando que se eu fizer isso vou renascer em um mundo semelhante ao Pandora“.

Talvez a explicação esteja na tecnologia empregada no filme. Este mundo de fantasia, com suas plantas estranhas e maravilhosas, como os animais são trazidos à vida utilizando efeitos especiais impressionantes.

Além de tudo isso, Avatar também carrega um debate racial. O escritor e diretor do filme, James Cameron, diz que o verdadeiro tema está no respeito pela diferença dos outros.

Somando-se à dinâmica racial, os personagens principais são interpretados por atores de cor.

David Brooks, um colunista do New York Times disse: “Avatar é uma excelente fantasia racial. Repousa sobre o estereótipo de que os brancos são racionalistas e tecnocráticos coloniais, enquanto as vítimas são espirituais e atléticas.

O professor e autor de cinema, Donald Bogle, disse que ele consegue entender por que as pessoas ficam perturbadas por “Avatar”, mas não chegou a chamar o filme de racista. “É um filme com certo tipo de distorção“, declarou ele.

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!