Publicidade

Publicidade
21/01/2014 - 00:03

As 5 cobras mais venenosas do mundo

Compartilhe: Twitter

cobrasvenenosas
Estima-se que todos os anos, ocorram de um a dois milhões de acidentes envolvendo cobras e seres humanos. Destes, cerca de 50 mil resultam em mortes.

Aqui no Brasil, a grande campeã é a coral-verdadeira, mas, curiosamente, ela nem aparece na lista das 10 cobras mais venenosas do mundo.

Pensando neste tema, resolvemos buscar as 5 cobras mais venenosas do mundo. Confira hoje no Diário do Curioso!

Autor: - Categoria(s): Diário do Curioso, Video Tags: , ,

Ver todas as notas

8 comentários para “As 5 cobras mais venenosas do mundo”

  1. Érisson dos Santos disse:

    O vídeo me parece que saiu do ar

  2. Augusto disse:

    Acho que há um leve engano nesta estatística. A jararaca é a cobra mais comum no território nacional. Praticamente qualquer terreno baldio tomado de mato, mesmo em área urbana terá pelo menos uma cobra destas ( o caso é que fortuitamente quase nunca a vemos).Nas grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro a presença delas em área urbana e muito conhecida pelos biólogos, acontece pelo mesmo motivo da presença da famosa jibóia – a quantidade imensa de roedores pro causa do lixo urbano mal processado -Cobras adoram ratos como comida! E o rato é a presa favorita da Jararaca. Então os acidentes são muito mais frequentes com esta espécie.
    Ocorre com alguma raridade a presença da coral verdadeira mas felizmente é pouco frequente pois o veneno da coral é muito mais violento que o da jararaca e mais problemático para tratamento.
    Os principais acidentes com cobras no Brasil tem o seguinte perfil:
    – Acidentes mais frequentes : Cobra Jararaca. (+ de 80%)
    – Freqüência de Mortalidade em acidentes :
    Cobra Cascavel (+ de 60%)
    – Outras Mortalidades em acidentes : Jararaca (vários tipos), e Coral verdadeira.
    – Probabilidade de morte com acidentes com cobras :
    Coral verdadeira acima de 70% e Cascavel mais de 80%.

    Agora vamos considerar o seguinte nestas informações:

    – Primeiro : O veneno da Jararaca é o que mais responde de forma positiva a um tratamento alternativo até o acidentado chegar a um hospital que tenha o soro anti-ofídico específico. Assim o sertanejo ou pessoa conhecedora recorre primeiro ao remédio caseiro enquanto tenta chegar a um hospital.
    – Segundo : A condição física do acidentado. Se a pessoa mordida naquele momento já sofrer de uma saúde deficitária, como por exemplo hipertensão, resfriados, gripes, febre reumática, diabete, cardiopatias, o veneno terá seu efeito muito potencializado e agravará o estado de saúde certamente.
    – Despreparo da rede pública de saúde – Não há garantias que o hospital mais próximo (principalmente no interior do estado) tenha o soro em estoque. O soro é perecível e custa caro, se as estatísticas forem positivas (poucos acidentes) provavelmente não haverá estoque. Só haverá estoque num hospital de traumas, que tem setores especializados como acidentes com queimaduras e animais peçonhentos. Se o hospital for na mesma cidade…tudo bem! Senão, reze para que haja um helicóptero por perto! E prepare-se para uma amputação ou ficar cego! Se for uma cascavel…o soro para ela é especial chama-se anti-crotálico!
    E a cascavel ao contrário das outras cobras costuma picar suas vítimas seguidamente!
    E a coral verdadeira, segundo relatos tem uma picada indolor semelhante a um mosquito grande! Quando você percebe é quando vai coçar e vê ela indo embora!!

  3. Three Legs NickY disse:

    E detalhe: A BLACK MAMBA é a única que persegue humanos!
    Se tu passar perto de uma e estiver usando muletas pra se locomover, FUDEU!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Leitor disse:

    Augusto:

    Cara, fiquei muito apavorado lendo este teu post. Ano passado, lá por Fevereiro, fui procurar gado que podia estar atacando uma plantação de milho e passei por alguns bosques ao redor da plantação, quando cheguei em uma parte mais limpa com uma graminha bonita até, mas tinha que passar meio curvado por baixo de arvores. Foi o único dia que inventei de ir de botas de borracha por ter chovido durante a semana. Quando passei senti algo batendo de leve em minha perna e não dei bola porque antes de passar visualizei a área. Depois que passei uns dois metros escutei o guizo da maldita, na hora reconhecei e me apavorei porque lembrei da cutucada na bota. Olhei para trás de imediato e dei um pulo recuando. Peguei a 12 de um tiro que carregava e acertei ela bem no meio. Depois ela se enroscou para dar um bote, mas aí mirei e dei na cabeça da porcaria. Toda minha raiva e indignação foi junto naquele tiro que afundou a cabeça daquela cobra na terra. Pensei em cortar fora o guizo ou levar a cobra morta para as pessoas verem, mas lembrei que poderia haver outra na volta e saí dali, aliviado e agradecendo à Deus por naquele dia eu ter recebido a idéia abençoada de usar botas. Isso ocorreu em Piratini-RS.

    E já aviso: só quem pensa em fazer leis para proteger essas porcarias nocivas e prender ou multar quem as mata são pessoas babacas com pensamentos idílicos que ficam sentadinhas em seus escritórios com ar-condicionado e pensando que a natureza é um mar de rosas. Mas se um filho dessas pessoas é atingindo por uma cobra, ou até mesmo um cachorro, são os primeiros a quererem matar o animal.

    • Pedro Rocha disse:

      Blz, bora matar todas as “ameaças” que possamos encontrar pela frente que logo tanto os meus quantos os seus descendentes estarão na bosta, pois tudo faz parte de um ecossistema ligado. As serpentes são tão necessárias para nossa sobrevivência na terra quanto as formigas ou qualquer outro animal ou vegetal. Pessoas instruídas saberão do que estou falando…

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo