Publicidade

Publicidade
24/10/2016 - 00:02

Empresa coreana cria barreira para diminuir impactos em caso de batidas

Compartilhe: Twitter

defensas

Uma empresa coreana especializada em produzir produtos de segurança para estradas apresentou sua mais recente criação, um rolo que ajuda a absorver o impacto em caso de colisão. Trata-se de um sistema de rolos que também faz com que o veículo retorne para a pista, em vez de projetá-lo para fora dela. Veja o vídeo.




Autor: - Categoria(s): Curiosidade, Video Tags: , , , ,

Ver todas as notas

7 comentários para “Empresa coreana cria barreira para diminuir impactos em caso de batidas”

  1. thomas says:

    o carro ser projetado de volta para a pista nao causaria mais acidentes? poderia envolver outros carros

    • adshadha says:

      concordo ia comentar o mesmo

      • Asgard says:

        Mataram a aula de física rapaziada?
        Se ele continuar na pista a probabilidade de ser menos pior é maior do que se ele bater num carro que venha na direção contrária. Ex: Se ele colidir com a grade e avançar para a outra pista e der de frente com outro carro a 100km/h num carro que vinha a 80km/h, o resultado da colisão será de 180km/h. Agora, supondo que o carro bata a lateral e diminua a velocidade bruscamente para 30km/h e outro carro atrás dele bater estando a 80Km/h a colisão seria de 50km/h, o que é bem menos pior, não concordam?

  2. Paulo says:

    Isto serve para beiras de barranco ou precipícios. Melhor manter o veículo na pista que cair ribanceira ou ponte abaixo.

  3. Jornalista says:

    Montagem das braba!
    Computação gráfica digital…

  4. xico says:

    O sistema de caixa de brita, jé em uso no Brasil é muito melhor e mais barato. Tem nas descidas da serra do mar. Quando pega uma carreta, é só aplanar as pedras e está novo de novo! Além que praticamente não danifica os veículos.

    • Juninho says:

      Discordo, basta analisar as imagens e constatar exatamente o contrário.
      Parece que tem água dentro do aparelho, o que denota o uso de instrumento híbrido, não acha?

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo