Os 10 produtos tecnológicos mais feios e estranhos

Microsoft Zune – o matador de iPod

Quando a Microsoft lançou o seu “matador de iPod” em 2006, a empresa fez questão de inserir muitos dos itens que fez o player da Apple um ícone de sucesso, incluindo o ótimo som e um gerenciador de músicas integrado. No entanto, em algum lugar no caminho, a Microsoft esqueceu de incluir o design sexy do iPod, optando por um case de plástico e uma desfavorável escolha pela cor marrom. Virou até piada, em um website que falava sobre um case para “esconder” o iPod.
Commodore 1541 disquete drive – o barulhento drive externo

O Commodore 1541, disquete drive externo que vinha com o computador Commodore 64, é uma fatia grossa e volumosa de plástico, mais pesada que o próprio computador. Era barulhento também, fazendo grunidos durante algumas operações e ruídos quando encontrava erros de leitura ou digitação. Também esquentava muito, o que levou muitos drives a serem enfeitados com ventiladores na parte de trás.
Neuros II Audio Player – o “tijolo preto”

Em 2004, a Neuros Audio lançou o Neuros II, a segunda versão do que já era a “mãe” de todos os players digitais: tocava formatos como MP3, WMA e arquivos em WAV. Talvez o mais inovador fosse o design em duas partes: a unidade do tocador era montado dentro de uma “caixa” que continha bateria e havia possibilidade de upgrade (de 128MB em flash drive para 80 GB em hard drive). O ruim era que tudo isso ficava parecendo um grande tijolo preto.
iMac florido – o computador alegre

Os primeiros iMacs da Apple eram como “ar fresco” para os usuários de computador. O brilho, as cores e o design arrojado estavam em contraste com os PCs, que eram na sua maioria “blocos beges”. Com a linha de 2001 de iMacs, foram lançados dois esquemas de cores: flores e pintado (branco com bolas azuis). Lembravam cortinas baratas para chuveiro.
Robô Furby – feio e divertido

Parece uma fantasia geek de última geração: dar a seu filho um robô inteligente de Natal – mesmo se o brinquedo parecer uma mistura de Gremlins e Muppets. Graças a sua CPU, sensores e partes móveis, o Furby original reagia a luz, som e toque: acordando pela manhã, respondendo a palavras e sons e com pelagem sensível.
Nintendo Virtual Boy – o game futurista

Em 1995, a Nintendo apresentou o game Virtual Boy. A unidade “portátil” consistia em dois visores sustentados por uma espécie de tripé (parecia um tipo de peep show de plástico) juntamente com um controle. Passando diferente imagens em cada olho, os visores faziam os jogadores se sentirem em uma experiência 3D (monocromática). Interessante para alguns, mas muita gente sentia era dor de cabeça…
Microsoft Windows 1.0 – o avô do Win Vista

O primeiro sistema operacional Macintosh, lançado em 1984, popularizou o conceito de interface gráfica. Um ano depois a Microsoft respondeu lançando a primeira versão do Windows. O primeiro Windows não era bem um sistema operacional, Parecia mais um add-on para o MSDOS, o que significava conviver com nomes de arquivos todos em caixa alta e um padrão gráfico ainda com jeitão de DOS. O patinho feio cresceu e virou o Windows Vista.
Motorola DynaTAC 8000X – o primeiro celular

Existem coisas que são feitas tão maravilhosamente bem que você se pergunta como elas surgiram de antepassados tão, digamos, pouco glamurosos. Exemplo disso é o DynaTAC 8000X – o primeiro telefone celular. Com 25 centímetros de altura (sem a antena), o maciço 8000X pesava quase um quilo. No entanto as pessoas ficaram surpresas com o conceito de um telefone móvel, quando o 8000X debutou em 1983, que milhares alegremente desembolsaram, à época, U$ 3.995 pelo prazer de falar em qualquer lugar.
Osborne 1 – o primeiro notebook

A idéia de computadores portáteis é tão comum agora que acabamos por nem chamá-los de portáteis. Mas em 1981 o primeiro computador portátil, o Osborne 1, pesava quase 11 quilos. A caixa incluía um monitor de 5 polegadas, monocromático, um teclado tamanho padrão e dois drives para disquete. Mas, para nossa sorte, os computadores pessoais ficaram menores e o Osborne 1 desapareceu.
Conector Acústico para Modem – o avô da internet

Os anos 70 não ficaram conhecidos exatamente pelos belos designs, mas uma peça feia e rudimentar da tecnologia dessa época era vital para os pioneiros na criação do modem: o conector acústico. Era necessário fazer as ligações manualmente, ouvir o sinal e então colocar o telefone no gancho, localizado em cima do modem. Uma inovação que formou a primeira geração pré-internet. Pena que tivesse uma aparência tão estranha.

[ FONTE ]

Mais Postagens
Mais Postagens
Parceiros
Comenta aí, butequeiro!